Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

Triste Lamento...

Lembranças perdidas na memória do tempo
Felicidade nunca existente, que meu pobre coração guardou
Em noites de dor e tristezas
Em dias de paz e alegrias...

Palavras esquecidas,amores vividos
Mágoas guardadas, tristezas sentidas
Um amor não vivido
Sonhos dispersos no vento...

Labirinto dentro de mim
Gritos que nunca serão ouvidos
Abismo que escorre pelos meus dedos
Olhos que se perdem no horizonte...

Desespero sempre cortante
Na louca espera de você que não chega
Ando já sem esperança
Nos resquícios do que ainda eu sinto...

Sobras de flores espalhados pelo caminho
Tempo que já não existe mais na janela da vida
Acabaram-se os sonhos, o amor se esvaiu
Recolho os restos, do amor que nunca existiu...

Promessa...

A música alta tomava o salão.
Ele a conduzia majestosamente entre os tantos convidados que circulavam trôpegos em seus próprios passos embriados.
Ela deslizava suavemente sob os pés dele. Rodopiava feliz em seu vestido vermelho e longo.
Uma fenda grandiosa subia até perto da virilha e o decote generoso mal segurava os seios fartos soltos sobre o tecido fino.
Dispensara o sutiã e a calcinha...não queria que nenhuma marca estragasse suas formas tão esculturais naquela noite.
Sabia que todos os homens a devoraram com seus olhos famintos e que as acompanhantes deles, a fuzilavam com seus olhares indignados.
Isso lhe dava um prazer imensurável e ela se deleitava em sua maneira torpe de causar inveja alheia.
Seu marido há tempos se tornara o homem condescendente que apenas a acompanhava em suas noites de aventura e loucura.
Ela o amara há muito tempo, mas agora não via nele o homem que a fazia satisfazer numa noite de amor.
Sempre todo certinho, todo obediente, todo correto.
Por mais que ela tentasse…

Negativas...

Você chega manhoso...
Pede...eu nego.
Vai embora cabisbaixo...
Eu sinto sua falta.
Chega novamente...
Sorriso estampado no rosto clarinho...
Olhos brilhantes, vivos...
Eu penso se digo "Sim".
Olho você.
Consinto, peço.
Me apaixono pelo gosto dos teus beijos.
Pelo aquecer do teu abraço.
Pelas batidas do teu coração.
Por alguns instantes mágicos, somos apenas um.
Ligados pelos corações descompassados.
Pelas mãos unidas, suadas...quentes.
Falamos de tudo e de nada.
Sobre nada, sobre tudo.
Não falamos de nós.
Apenas sentimos... e como sentimos!
Se você se vai...eu me perco.
Volto a ser ímpar, ser solidão.
Grito por ti!
A saudade já me sufoca.
E você volta...
Oferta teus braços, tua boca...
As batidas do teu coração.
Me apaixono novamente.
Você se doa,mais uma vez.
Sem palavras, sabemos exatamente o que o outro precisa.
Sintonia perfeita.
Destino vivido.
Sem promessas...apenas seguimos.
Sentimos.

06 Meses..

Hoje o dia amanheceu com saudades tuas.
Eu adormeci com saudades tuas.
O vento que hoje sopra feroz, sente saudades tuas.
E eu sinto saudades tuas!
Jack...Ynsanno...
06 meses se passaram.
E ainda parece que a ficha não caiu.
Não trago tristeza hoje,mas um sorriso de paz.
Eu sei que você sabe que comecei a melhorar.
Te pedi em prece tantas vezes nos últimos dias...
Que pude ouvir até teu alto e sonoro: Angel,Chega!
 E chegou.
 Misteriosamente hoje...eu estou bem.
 Mas com saudades tuas!
 Não brigue....você sempre odiou quando eu dizia isso.
 Sempre me pediu para sentir tua falta,mas você nunca deixava que isso acontecesse né?
 Nunca me deixou sozinha e sem amparo.
 Não sei até quando vou escrever ou até quando terei vontade de escrever.
 Mas sei que sinto demais sua falta...
 E é impossível não pensar em ti todos os dias!
 O tempo tem sido cruel...mas sabe o que é bom nisso tudo?
 Eu não me esqueci de nenhum detalhe teu.
 Nada! Nem a voz...nem o jeito, nem o relógio ou a estrela de Davi sempre brilhando sob…

Mentira Pouca é Bobagem!!!

A noite passada refleti muito sobre isso.
Engraçado descobrir que quando estamos cegos, tudo parece verdade.
Tudo é lindo, maravilhoso e encantador!
Mas quando chega a hora da verdade e os olhos se abrem, a gente percebe o quão monstruoso tudo era, tudo é.
Não entendo quem precisa mentir para existir.
Não aceito quem precisa se inventar para ser alguém nessa vida.
Não admito quem finge, quem engana, quem mente...por mentir.
Tá..
Mentir o peso, a altura...ou até o número do sapato é comum(típico de mulheres, é óbvio).
Agora mentir o sexo e inventar doenças?
Para que?
Só quem é doente, sabe o peso que é carregar qualquer coisa ruim em seu corpo.
Não se brinca com isso, afinal o que todos almejamos, é saúde..ou não é?
Inventar um câncer a troco de que?
Piedade gratuíta???
Ah...faça-me o favor!
Não se cura um câncer facilmente, não se retira catéteres com facilidade(falo por experiência própria)
Não se mente!
Fico indignada com isso.
Ainda mais quando subestimam minha inteligência!
A internet hoje é um prato…

Devaneios....

Ela não sabia por quanto tempo ele estava ali.
Desde que o bar havia sido aberto, ela via-o ali, sentado na mesa do canto direito. 
Calado, bebericando sua cerveja.
Mas tinha notado que toda vez que ela passava por ele, com as mãos ocupadas de garrafas ou bandeijas, ele a devorava com seus olhos claros.
Ela sempre soube que era bonita. Não comum.
A pele branca demais era realçada pelas ondas de cachos vermelhos que pendiam sobre a fina blusa que ela vestia.
Uma saia curta deixava a mostra suas pernas torneadas.
Dispensara o salto alto naquele fim de noite...e gostava da sensação de sentir os pés descalços sob o chão frio.
O bar jã estava quase vazio aquela hora e ela trazia nos olhos, o cansaço.
Os poucos clientes já acertavam as últimas contas que ela recebia sorridente e guardava na caixinha deixada debaixo do balcão.
Mesmo que naquela noite quente, o patrão a deixasse encarregada de fechar o bar, ela sabia que era uma simples funcionária e nunca ele lhe daria a chave da caixa registradora.
Im…

A Dor da Saudade...

Nesse dia de névoa branquinha, de frio congelante...
Permiti que meu pensamento voasse até você.
Abri aquela gaveta da alma, onde guardo meus maiores sentimentos...
E melhores...
E deixei que a saudade de você,tomasse conta de tudo à minha volta...
Em mim.
Saudade de você.
Saudade do que fui para você, do que fomos um para o outro.
Revivi cada segundo ao teu lado nessa noite interminável.
Onde o frio maior estava na minha alma negra, dolorida.
A nossa música tocou o tempo inteiro.
Com a guitarra chorona, a voz rouca...
E a melodia que sempre me fez viajar...
Até você.
Como um fim sem sequencia...
Sem atores principais, sem cenários sofisticados.
Apenas dois insanos vivendo o que achavam que era para ser vivido.
Fechando os olhos ao olhar para a gaveta aberta...
Pude sentir teu perfume ...
Ouvir a voz que nunca ouvi...
E fiquei ali, só olhando você sorrir...
Como se me abrisse a alma e tua gargalhada fôsse dada lá dentro...
Ah moço cruel...
Como dói sentir saudades de ti.
Como dói abrir os olhos nesse momento…

Assista...

Ela sabia que o encontraria ali.
Sempre que ele deixava o trabalho, ia pro cinema mais próximo.
Pegava uma pipoca grande e se sentava bem na fileira do meio...
Era ali...que ele se deixava relaxar, envolvido pelo filme no telão.
Um ritual...assim, ele descrevia esse momento.
Mas mal sabia ele..que naquele dia tudo mudaria.
Como sempre...ele estava lá.
Praticamente o mesmo lugar, o mesmo pacote enorme de pipocas, o refri pousado na cadeira ao lado.
Ela observava silenciosa.
Quando todas as luzes foram apagadas...ela se sentou despercebida na fileira de trás dele.
Usava seu vestido mais curto...e tirara os saltos altos.
Esperou calmamente que o filme começasse.
Nem sabia qual era e nem se importava com isso.
Ele estava atento a cada detalhe, a cada cena..a legenda que corria solta pela tela enorme.
Ela era paciente...
Sabia esperar...mas não escondia o nervosismo.
Os lábios doloridos pelas mordidas que ela mesma se aplicava, eram a prova disso.
As mãos geladas...
Todas as cadeiras estavam praticamente oc…

Mentiras Sinceras...

Pensando hoje em como tudo pode mudar, principalmente, quando nos desligamos de certos detalhes.
Chega a ser engraçado como te ver, já não me machuca mais.
Como tua presença ao meu lado, já não me deixa mais sem ação.
Até a tua voz(ao menos a que sonhei ouvir) já não me faz tremer toda.
Teve um tempo que acreditei que nunca me curaria de você.
Que seria dor eterna....
Que feliz constatação hoje, pode te olhar, poder te ler...te ver...
E não sentir mais nada.
Só esse vazio...
Queria sentir ao menos alguma coisa..
Raiva, asco...
Mas só indiferença.
E isso é ruim, eu sei que é ruim.
Antes, eu te esperava...
Hoje, torço para que não venha.
Tudo mudou em tão pouco tempo...
Eu sei que me feristes tão fundo...
Mas não seria possível que tanto sentimento fôsse embora tão rápido.
Não quero entender mais.
Sei que é melhor assim.
A ambos.
Hoje, desejo somente que você fique longe de mim.
Bem longe, diga-se de passagem!
E que seja feliz...isso é de coração!
Antes eu tinha sede de saber de você.
O que gostava,como gostava…

Pronta Pra Você...

Ela sabia que ele a olhava naquele momento.
Se sentou na cama lentamente...e devagar fingiu olhar as paredes vazias...
Mas suas mãos suadas correram despercebidas por seus cabelos...
Por seu pescoço...
Arrepiou-se.
Devagar brincou com os bicos dos seios sob a camisa.
Sentiu-os entumecer na ponta de seus dedos.
Rodeou lentamente os dedos neles...
Apertou,puxou...
Mordeu os lábios.
Saber que ele a observava,deixava-a molhada.
Inundada de desejo.
Desabotoou cada um dos botões da blusa...devagar.
Um a um...deixando a carne branca exposta.
Os seios ávidos para serem acariciados..lambidos...mordidos.
Dedilhou-os novamente, agora na carne...em pêlos...
Desceu os dedos pelo ventre...os arrepios serenos...
A respiração aumentando.
Fechou os olhos...tateou o shorts velho.
Apertou o sexo úmido e esfomeado.
Sentiu o tecido fino da calcinha ensopar.
Inspirou o cheiro do sexo , da paixão, da vontade.
Sorriu ao ver que ele ficava a cada segundo que se passava...
Mais louco de tesão.
Se deitou e começou a tirar o shorts len…

Tudo Pra Você!!!

É pra você que me entrego fácil...
Que me derramo leitosa, densa.

È pra você que entrego todo meu mel...
Adocicado, grosso...quente.

É pra você que me dou fácil...
Em gotas na sua boca, molhada.

É pra você que entrego meus seios...
Desejando que brinque com eles entre seus dentes.

É pra você que sou puta,sou vadia...
Satisfazendo tua carne...e a minha.

É pra você que sou tesão,sou fogo que queima...
Esperando teu néctar na minha língua.

É pra você...
Que hoje me dou farta, sedenta....
Esfomeada....Tua.

Tome o que te pertence.
Afinal...
É tudo pra você!!!!

Gente...

Ah...o ser humano.
Bicho complexo, que vive com medos.
Que vivem se guardando em seus orgulhos e temores.
Em suas regras e critérios estabelecidos...
Sabe-se lá por quem e pra que!
Sempre preocupados em se resguardar, em se esconder, em não se mostrarem!
Pessoas...
Pessoas comuns, com seus medos tolos.
Medo de se entregar.
Medo de dizer o que pensa e sente.
Medo...simplesmente medo. 
Do não, normalmente.
Mas pra mim, o pior medo das pessoas é ouvir o Sim!
Esse causa temor, esse apavora.
Medo de dizer "eu te amo" sincero.
Medo.
Principalmente de ouvir um "eu te amo" mais sincero ainda.
Ah...posso viver mil anos e não vou conseguir entender esse tipo de pessoa.
O tipo de pessoa que economiza letras, que aprisiona as palavras.
Que economiza sentimentos, que detém as verdades.
Ah...gente egoísta que não abraça por ter vergonha.
Que não beija mais, por achar que está sendo fácil demais.
Gente...
Que desperdiça o pouco tempo que tem...
Sozinho...sozinha.
Que inventa desculpa pra tudo.
Que acha …

Viver sem vc.

E agora?
O que fazer se a dor que carrego não quer passar?
Se a dor que sinto não quer me deixar?
Tento enxugar em vão todas as lágrimas derramadas...
E mesmo assim, ainda as vejo marcar meu rosto cansado.
Ah menino cruel...
Namorei tanto as tuas letras que nunca foram para mim.
Até as mais torpes, copiadas dos grandes poetas mortos ou desconhecidos.
Nesse meu dia claro, não há sol.
O cinza que não cobre a manhã ensolarada
Cobre de fuligem a minha alma solitária.
Namorei tanto teus olhos negros pousados em mim.
A tatuagem suave que você deixou cravada na minha pela morta.
O que fazer agora se o silêncio barulhento que domina minha alma,
Ainda é dor demais a ser sentida?
Namorei demais tua imagem criada pelo meu amor.
Namorei tuas mentiras, tuas poucas verdades.
E mesmo quando o tempo emoldurou teu rosto de menino na dor...
Eu namorava você.
Amei a tua voz que não ouvi.
E amei mais ainda, o teu silêncio sempre constante.
Preciso parar de pedir desculpas por simplesmente, ter sentido.
Preciso me reconstruir.

Encrenca...

Eu nunca fugi de encrencas!
Aliás, analisando bem...eu sempre as persegui com afinco!
Nunca fui razão.
Sempre deixei meu coração me comandar e de fato, não sei se isso é ruim ou não.
Admiro os corajosos, os que vão em busca de seus sonhos..mas principalmente, admiro quem 
não se deixa intimidar diante das dificuldades.
Ah...quantas vezes suspirei num filme de amor...quando depois de tanto enrola e desenrola, os casais nada compatíveis conseguiam finalmente, ficar juntos!
Confesso...amo um romance improvável!
Sempre fui uma menina num corpo de mulher e admito, ainda sonho demais(mesmo que não assuma isso)
Sempre fui destemida, mas em relação a você, ah meu Pai....
Sou a covardia em pessoa.
Até um simples "eaí" teu, me faz tremer que nem vara verde em dia de vento forte!
E quando você chega mansinho e manda uma música que encontrou pra mim?
Eu me esparramo feito gelatina debaixo do sol.
Eu...a dona certinha, cheia das rotinas, entregues aos horários corretos...
Deixo tudo de lado se você me …

Ontem...

Nostalgia...
Não de um tempo remoto, mas do ontem.
Das coisas simples que aconteceram a dez minutos, apenas dez minutos.
Saudades do despertar hoje de manhã,dos olhos vermelhos que mal se fecharam na noite passada.
Saudades da noite de ontem, do exato momento que me dei conta do quão relapsa estava sendo.
Comigo mesma.
Sinto uma saudade dolorida da tarde de ontem, onde um gesto simples, uma foto boba...
Conseguiu me fazer sentir a mulher mais especial do mundo.
Saudade...dolorida saudade.
Saudades de mim.
Saudades do meu sorriso tolo, das minhas gargalhadas altas.
Saudades do meu som ligado no último e minha mente, voando longe ao doce tocar da melodia.
Saudades da chuva...
Do quanto ela lavava minha alma.
Sinto falta de poder sentir nas mãos o tempo passando, escorregando pelos dedos...
Lentamente...
Sinto falta das tardes de "nada para fazer" ou de "deixa para amanhã"...
Ah...que saudades eu sinto de mim.
Saudades de quem eu era há uns meses, há uns dias, há alguns minutos.
Sensaçã…