Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2013

Eu Ainda Acredito....

Analisando os recentes fatos(culpa de uma noite de insônia com um calor infernal), concluí que ainda acredito no ser humano.
Cheguei a pensar que não acreditaria mais, que tudo seria dúvida e incerteza...mas felizmente, eu ainda tenho fé!!!
Acredito que as pessoas possam ser verdadeiras, que elas possam amar de verdade ou simplesmente, sentir de verdade.
Acredito que ainda existam pessoas que abrem mão da mentira, da covardia...só para ser elas mesmas, independente de serem negras, brancas, altas, baixas...ricas ou pobres,gordas ou magras.
Acredito que ainda existam pessoas que dão suas "caras" a tapa e não se importam de serem crucificadas, taxadas, rotuladas...por serem...humanas!
Defeitos..ah, como temos!
Só não acredito em uma coisa: Que existam pessoas perfeitas. 
Aí seria querer enganar a si própria...fingir que acredita.
Não existe perfeição.
Somos seres limitados, apesar da grandeza que carregamos dentro de nós.
Mas para que mentir ou fingir???
Hoje em dia, as pessoas tem acess…

Agora...

Beba do meu mel.
Se lambuze no suco grosso e denso que escorre de mim.
Meta a língua bem lá dentro...puxe pra tua garganta o suco que se derrama por você.
Saboreie...cheire...beba.
Morda a carne que é tenra por você.
Mordisque o grelinho sem piedade...
Meus gemidos altos serão teus.
Escreva com a língua encharcada teu nome entre a minha buceta e o cuzinho.
Desenhe devagar cada letra...me faça escorrer.
Brinque nas entradas...língua durinha que força passagem...
Para dentro de mim.
Sorva minha vida que escorre por meus poros.
Deguste lentamente o prazer que derrama nos lençóis amassados.
Deixe que teus dedos tracem os caminhos para dentro de mim.
Enfie...soque...um, dois,três....
Todos....
Golpei forte em mim.
Arranque minhas entranhas com teus dedos...deixe que doa.
Deixe que escorra.
Deixe que sofra.
Prepare meu corpo pro teu pau.
Enfie.
Soque forte na minha buceta...faça meu corpo inteiro tremer.
Lambuze-me.
Meta forte no meu cuzinho...me faça implorar.
Me vire de 4, me pegue de jeito.
Mostre-me quem manda..…

Rosas...

Me visto de rosas....
Vermelhas, amarelas..brancas.
Me enfeito de cores, cheiros, sabores.
Mastigo a vida, engulo a seiva doce que escorre do meu sorriso.
Ando flutuando no jardim dos meus dias.
Passos serenos nos minutos que não se arrastam mais.
Tudo está divinamente colorido...
Me encontro no tempo que me foi dado novamente.
Esqueço as mágoas, as dores, a solidão.
Sou companhia perfeita dos meus dias insanos.
Sou a loucura do amor que ainda não foi vivido.
Sou a tempestade que não alaga, que não fere...que chove.
Sentimento.
Apenas sentimento.
Vestida de rosas...cheirando o adocicado da vida.
Cores, odores....alegria.
Ah...jardim imerso na minha alma gritante.
Vida...vida, apenas vida.
Nada mais me tira o plumo, nada mais me tira o centro.
De mim mesma.
Danço, canto...embalo meu sorrir,encontro o teu olhar.
Céu e terra se misturam nesse momento.
Nada mais importa...nada.
Bailo rodopiando....
Vestida de rosas...
No dia claro, no sol que arde...nas crianças que não param.
Pássaros sonoros, gritos, música, son…

Um Dia Nada Normal...

Ao sair de casa naquela manhã quente, sabia exatamente onde iria.
Havia se programado há tempos e hoje, nada a impediria de realizar seus desejos.
Colocou sua melhor lingerie...sabia que o jogo de sedução ainda era importante. O vestido curto e justo, deixava as marcas evidentes e a cada passo que dava, sabia que era desejada e admirada.
A pele bronzeada, os seios durinhos sobre a roupa. Os cabelos cacheados que lhe caíam sobre os ombros.
O casal de amigos havia adquirido a casa lotérica tinha pouco tempo. Como iniciantes, não haviam contratado ninguém ainda e ambos tocavam a pequena loja sozinhos.
Ela, uma loira lindíssima. Alta, magra, corpo escultural. Sempre fôra bissexual assumida e mesmo já tendo trepado com homens e mulheres, havia se casado com um homem que não se importava com essa situação. Ambos sentiam prazer quando ela resolvia fazer uma nova vítima. Tinha sedução suficiente pra isso e era só querer, que tinha alguém disposta a ir pra cama com ela...e com ele.
Perdera a conta d…

Inesperado...

Desejo cortante...
Que morde minha boca
Que bebe da minha sede
Que sacia minha fome.
No barulho indecente do meu chamado,
Calam se as vontades sentidas.
Grito insano na noite fervente...
Desejo que desagua em mim...
Fogo que queima por você.
Adormeço meu queimar na tua pele...
Abro meus olhos de pedinte.
Peço, imploro, me ajoelho.
Grito.
Gemido surdo na noite silenciosa.
Agonizo na saudade de você,
Na falta de você.
Na presença de você...
Em mim...
Rasgue o véu que nos cobre
Pernoita no meu corpo em chamas.
Beija minha pele, repousa sereno nos meus sonhos.
Acalma tua vontade na minha nudez descarada.
Sofra, peça, seja.
Desfaça se dos pudores, retire a tua roupa.
Aconchegue se.
Venha...
Não demore mais.
Repouse em silêncio...
Feche os olhos.
Hoje...momento exato em que te vi partir.
Segundo inesperado do teu voltar.
Somos....

Nada....

Nessa manhã de calor intenso, abro meus olhos e me pergunto onde foram parar todos os momentos que vivemos...
Mesmo os mais "ruins"...sensação perdida que tudo nem existiu.
Lembranças...
Doces lembranças perdidas, vividas...revividas num tempo que não volta mais.
Não há tristeza hoje...um leve sorriso ainda brota nos meus lábios ressecados.
Tempo...ah, tempo.
Não sinto sua falta. Não mesmo!
Mas ainda queria ter a oportunidade de te dizer coisas que ficaram presas na garganta.
Queria que tivesse me entendido.
Queria que tivesse dividido comigo seus problemas...ah, a gente teria analisado, pensado...encontrado outra solução possível..ou simplesmente, teríamos ficado abraçados, olhando a situação tomando café quentinho...ou apenas dedilhando os dedos um do outro.
Te pedi tantas vezes que você não fizesse promessas, que não traçasse planos.
Mas você teimou em prometer o que sabia que não cumpriria...e planejou o que tinha certeza que nunca realizaria.
Tuas palavras ainda martelam na minha c…

Troféu....

Perdera a conta de quanto tempo estava ali...sentada naquela arquibancada fervendo.
O sol já devia ter fritado seus neurônios..pensava, pensava e não conseguia entender como havia chegado ali...ou o porque de estar ali.
Só conseguia vê-lo em sua frente.
Os movimentos graciosos eram subtituídos por violentos golpes na bola que cortava os ares gritantes da quadra a céu aberto.
As pernas torneadas, o short agarrado no suor que escorria do corpo dele...
A camiseta branca,leve...molhada..deixava seu abdômem ainda mais visível.
Ela se propusera a estar com ele em todos os momentos e por mais dificuldades que passassem ou das tantas promessas feitas, essa era a primeira vez que ela conseguira acompanhá-lo a um jogo tão importante.
E torcia por ele..torcia pelo time inteiro.
O jogo se aproximava do final...e mesmo que os jogadores do outro time fizessem o impossível, era óbvio que já haviam perdido o jogo.
Seu olhar buscou o dele...e sorriu timidamente quando ele piscou para ela...Sentia que mesmo que…