Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

Aprisionada...

O que fazer quando não há mais opções?
Quando você enxerga que a única saída é ficar longe de quem você acredita amar?
Como não sentir a dor que corta a carne sem piedade...
Como sobreviver aos dias escuros e sem vida?
Há....tantas perguntas sem respostas.
Não ao certo por não tê-las,mas por não querer sabê-las.
Queria poder acordar amanhã e perceber que tudo não passou de um pesadelo sem fim.
Que os vestígios deixados não foram espinhos...e pedras.
Que a alma continua intacta...e inteira.
Me sinto perdida dentro de mim mesma, dentro do que quis acreditar que eu era,mesmo que nunca tenha sido.
Me perdi no labirinto dos desejos, criei esperanças não sentidas, vaguei..vago.
A alma inteira hoje dança sozinha a ciranda dos dias.
O que nunca fez falta, hoje golpeia sem piedade a carne já ressentida.
Marcas roxas se formam na pele branca, rastros impiedosos da busca incansável.
Estrada sorrateira que brota serena nos olhos que já se fecham.
Lágrimas amargas que "cavucam" o rosto já cansado.
Incer…

Vazio...

Navalha que corta a carne.
Gelo que congela a alma e paralisa as palavras.
Breu que toma conta de tudo ao redor...
Amargo que consome na língua.
Um vazio...apenas um vazio que toma conta de tudo.
Abro e fecho os olhos rapidamente.
Ensaio as letras, me perco nas palavras que não saem.
Olho a minha volta e só vejo solidão.
Dentro de mim, o oco está repleto de nada, de tudo.
Tudo que dói, tudo que amedronta, tudo que atrai.
O que antes era certeza, hoje baila na dúvida.
O caminho iluminado,paira na noite sem fim.
Amanheceu com sol...mas sei que vem chuva forte.
É sempre assim...sempre.
Quando penso que tudo está certo,vem a vida..
E desorganiza tudo.
Alma em desalinho, saudade do que nem sei, de quem não sei.
Dor..
Cansaço(essa palavra tem sido usada com frequencia)

Só queria entender...não o que acontece lá fora...

Só o que fervilha dentro de mim.
Essa mania de acreditar em sonhos, de continuar sonhando.
Preciso de uma dose brutal de realidade...
Mas ainda não sei se estou preparada.

Vazio...somente vazio.
Nada…

Se...

Se fôsse possível escolher, não amaria você.

Se fôsse possível escolher, escolheria alguém menos complicado,mais homem, menos infantil.

Se fôsse possível escolher,não sentiria tanto a sua falta.
Mesmo que isso fôsse sentido, cinco minutos depois que você foi embora.
Talvez, só talvez...eu não esperasse tanto você...

Seu fôsse possível escolher, eu nem me importaria quando você desaparecesse...mesmo que isso levasse um mês todo.

Ah se fôsse possível, fugiria do teu toque, do envolver dos teus braços...do sabor gostoso dos teus beijos...

Se fôsse possível não pensaria em você a cada segundo, nem ficaria olhando o telefone esperando por teu nome aparecer.
Não sorriria fácil quando lêsse tuas mensagens, nem ficaria suspirando quando você me mandasse uma música.

Se fôsse possível, não desejaria te ver a cada minuto....e nem me "derreteria" toda, quando você chegasse.

Se fôsse possível, não deixaria que você me magoasse quando faz "meleca"...e nem sentiria tanto ciumes quando está…

Inesperado...

Ao atender o telefone naquela tarde quente, não imaginava quem era do outro lado da linha.
Cumprimentou serenamente, como fazia sempre...mas ao ouvir a voz do outro lado, seu corpo se arrepiou inteiro.
Era a voz do homem dela..do menino que sempre a fazia subir pelas paredes, literalmente.
Não entendia como seu corpo podia reagir assim, um misto de fogo, gelo...que a tomava inteira, com um simples "oi" que ele lhe dava.
Fechou os olhos, respirou fundo..e tentou em vão, falar com ele calmamente.
Mas ele sabia...e como sabia mexer com ela.
Sussurrou baixinho no telefone o quanto a queria...o quanto a desejava....e sorria gostoso quando sentia a respiração dela aumentar do outro lado.
Sorrateiramente, ele pediu que ela desligasse o telefone da empresa..pegasse seu celular e fôsse para o banheiro.
Ela não conseguiu questionar...e ao ouvir o tum..tum..tum do outro lado, correu a mão na mesa e apanhou o celular.
Ela havia perdido o controle do corpo..e só queria obedecer as vontades do hom…

Ah....

Quando estou contigo...
Tudo é diferente.
Enxergo as cores, embalo a vida.
Tudo fica belo, tudo é colorido.

Quando estou contigo...
O sol não queima tão forte.
A lua sempre é cheia e redonda...
Tudo se modifica,tudo é infinito.

Quando estou contigo...
Nada mais importa,tudo perde o sentido.
Já não há mais dor, nem solidão.
Tudo é vivo, tudo é amor, somos um.

Longe de você, tudo perde a graça.
Preto e branco são as cores...
Nada mais existe de belo.
Até sorrir, perde o brilho.

Distante de você, as dúvidas povoam meu ser.
Já não há mais certeza do amor.
As dores voltam, a solidão me apavora.
Já sou sozinha,sem amanhã.

Aí, você volta...
Chega mansinho...
Abraça meu corpo...e sussurra baixinho:
Eu te amo....

Ah..eu te amo!

Cansada...

Houve uma época em que eu acreditava em tudo. Não nos contos de fadas, rainhas, princesas, príncipes,bruxas e sapos.
Nunca fui de me permitir viajar nessas "infantilidades"...mas acreditava que tudo era possível...que bastava acreditar e ir à luta, que tudo acontecia.
Nunca tive medo do escuro, dos bichos que rastejavam e nem das casas abandonadas.
Aventureira nata, mesmo que dissessem que eu era um pouco lenta demais na busca incansável pelos monstros, fantasmas e assombrações.
Nunca acreditei muito no amor...acho que a dureza das "surras",me tiraram isso pouco a pouco. O desamor era constante,mas nem me importava com isso não.
Queria a grandeza da vida, a maldade das situações e pessoas. Queria viver tudo de uma vez, sem amanhã, sem esperança...
Cruel? Não sei até hoje...ainda não concluí a resposta a essa pergunta!
Não sei ao certo se fui inocente em algum momento,talvez sim...principalmente quando a juíza mãe condenava sem advogados, sem defesas...eu era sempre culpad…

Inconsequente...

Hoje me peguei lembrando de você.
Não com tristeza, com saudade...apenas, me lembrando de você.
Talvez tenha sido a canção que deixei tocar incessantemente agorinha.
Talvez seja esse ar de nostalgia que baila no ar.
Quem sabe não seja porque o dia está nublado e triste...
Não sei ao certo...
Sei que tua presença hoje é dolorida, perturbadora.
Sei que sinto sua falta.
Quando eu menos precisava, era tua presença que me mostrava que eu precisava de você.
Quando eu mais te buscava, era teu afeto que me deixava ver que eu era forte e não sabia.
Nas manhãs como agora, você sempre me fez sorrir. Nunca, em nenhum momento me deixou sozinha.
E nem sei de fato,se hoje eu estou sozinha.
Não sei de fato, se realmente você se foi.
Lembrar é dolorido...e ao mesmo tempo, acolhedor.
Tua gargalhada ainda faz brincadeira nos meus ouvidos.
Um piscar de olhos e tua voz chega mansa, me trazendo felicidade.
Saudades...
Dos momentos que foram teus, das horas de conversas, de risadas, de perguntas que nunca foram respondidas.