Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

Clip A Lista - Oswaldo Montenegro

Vazio...

Não sinto mais nada.
Oca, vazia.
Entregue aos dias mortos, as noites fúnebres.
Dias ferventes, sem brisa alguma.
Noites geladas, sem abrigo permanente.
Falta o ar.
Não consigo respirar.
Tudo dói, tudo é dor.
Sangra, escorre...
Mancha.
Desencontrei da minha alma.
Vago solitária na sala de estar da vida.
Caminho perdida, no caminho que você traçou.
E eu não aceitei.
Meu coração adormece silencioso.
Nem as batidas posso ouvir.
Sem sentimentos, sem emoções.
Dor.
Vazia de mim mesma.
Repleta de mim mesma.
Só o cinza preenche todas as cores.
Apagadas pelos olhos que já não veem mais.
Céu nublado, nuvens mortas pairam na imensidão.
A música já não toca.
O silêncio machuca os ouvidos que buscam em vão.
Me falta a vida.
Me transborda dor.
Já não me sinto.
Pesadelo que não termina,na vida que já se encerrou.
Fúnebre dia de perda sentida.
Um único gesto me devolveria a mim.
Uma única atitude esperada.
Espera sem fim.
Enfim.

Já não resta mais nada.
Já não sou mais nada.

The fim!!!

Escondida...

Não me procure.
Nem sou, nem estou..nem serei ou estarei.
Tracei um voo imperfeito, incerto.
Sem destino.
Asas?
Não as tenho, mas as uso diariamente!
Sou pássaro livre no céu da vida.
Sou livre, leve...
Solta!

Não me procure.
Ando perdida entre as árvores e os rios.
Inquieta entre meus silêncios gritantes.
Encontrada na alma que hoje é viva.
Intensa, colorida.
Matreira.
Largos e obscuros eu.
Livre!

Não me procure.
Me achei no sorriso mais lindo que já vi.
Me perdi nos olhos mais doces que já olhei.
Me encantei no abraço mais quente que já senti.
Menina travessa, arteira.
Angelical e capetinha.
Mulher!

Não me procure.
Virei gota de chuva que cai na tarde fria.
Vento gelado que refresca o dia fervente.
Céu límpido e arco-íris.
Texto vivido, sentido...dedilhado.
Pontas soltas, amarras feitas a dente.
Viva!

Não me procure mais...
Fui ali ser feliz.
Clichê?
Foda-se =)

Não volto mais, estou feliz !!!!!

Fantasma...

Dia cinza, alma sem vida.
É tudo tão complicado hoje, tão sem sentido.
Acordei vazia, oca de sentimentos, de alma.
Me senti tão presa a você, tão refém do seu amor.
E agora nesse momento, procuro em vão algo em que agarrar.
Sua presença distante, seu rosto indefinido.
Me sinto sem nada.
Sem respostas de perguntas que fiz, de respostas que não tive.
Apenas uma, várias...
Não tenho certezas. Não sinto mais.
Tento puxar sua imagem na minha imaginação...
E não me vem nada.
Um rosto sem rosto.
Uma interrogação que ninguém responderá.
Ouço uma voz que não me fala nada.
Tento em vão ouvir...e nada.
Nenhuma palavra pronunciada, nenhum som.
Eco perdido no tempo, jogado na poeira da vida que acabou.
Queria tanto que tivesse confiado em mim.
Que tivesse se exposto, se mostrado, sido verdadeiramente, meu.
Mas não.
Você não foi.
Foi uma ilusão, um querer, um bem querer.
Queria poder fechar os olhos nessa manhã cinza..e sentir suas mãos nas minhas.
Tocar seus lábios doces, viajar nos teus olhos tristes.
Afagar teus cabelos…