Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

Só Chove...

Só falo em amor,se casando com a dor Me calo em dor, sonhando com o amor Sem novas palavras, repetidos versos Alma que escreve...por mim!
Só falo em saudade,pensando em você Só penso em você,amor sem fim Tento não te chamar,me contradigo Silencio meu coração,por mim!
Falta do teu abraço,palavras inexistentes Sentimento engavetado,alma dilacerada Carência de mim,ausência de você Poemas que já não quero mais escrever!
O sonho acabou, o poeta pregou Palavras jogadas na morta tela Saudade, saudade... Lágrimas que já não caem mais!
Quebrei meu coração por você Amaldiçoei o amor por mim Amei sozinha o que não existiu Profetizado o fim que chegou!
Barreiras que hoje me protegem
Dura armadura de mágoas e rancor
Apago nossa história. De você?De mim? Por nós? Corpo que treme,frio na alma.
Chove lá fora, inunda em mim.

O fim...sempre o fim!

Cinco Sentidos....(Sentidos)

Te vi e já te quis. Te olhei e já te desejei. Teus olhos, verdes.
Esperança. Teu sorrir no olhar. Meu olhar a te olhar. Te vi e já te quis.
Teus olhos! Te cheirei e já te quis. Teu cheiro de homem decidido. Teu chegar e dizer o que quer. Teu cheiro de cigarro e cerveja. Teu cheiro de cio, quente. Desejo. Te cheirei e já te quis.
Teu cheiro! Te ouvi e já te quis. Tua voz forte, grave. Doce som a me cortar a pele. Tuas palavras roucas. O roçar da tua barba no meu corpo. Te ouvi e já te quis.
Tua voz! Me tocou e já te quis. Tuas mãos ágeis, firmes. Teu jeito de me tocar e me tirar o medo. Sem culpa eu te quis. Teu toque em mim. Gemidos sem fim. Me tocou e já te quis.
Tuas mãos! Senti teu gosto e já te quis. Sem me arrepender, fiz amor com você. Na noite que teve fim. Teu gosto derretendo nos meus lábios. Desejo fervente, sem fim. Senti teu gosto e já te quis.
Teu gozo!

Te vi, te cheirei, te ouvi, te toquei(me toquei) e te provei. Sem culpa, sem arrependimento. Uma noite, um desejo. Sexo sem compromisso. Sem nomes, sem amanhã. Sem…

Amor...

E no ponto inexato onde todo amor se encontra, eu me perdi em você. Encontrei teu riso solto, sua gargalhada sonora. Me questionei como alguém podia falar sorrindo...
E me peguei, sorrindo por você.
E no ponto inconsciente onde todos os corações se perdem, eu  me encontrei em você. Nos seus olhos perdidos, desenhei meu horizonte inteiro. Fiz perguntas que não ouvi. Respondi o que não me foi perguntado.
E me vi, olhando você.
E no inconsequente local onde toda saudade é suprida, eu me perdi sentindo você. Nos teus braços e abraços, aconcheguei todos os meus medos. De olhos fechados, adormeci na tua proteção. Sem amanhã, sem passado... No hoje que teu afago me permitiu.
E me vi, em você.
E na exata fração de tempo onde todos os mortais se amam, eu me encontrei na tua inocência. Me deixei conduzir por seus sonhos imaturos, refiz a esperança de ser feliz. No horizonte que se estendia à nossa frente, criei nós dois. Futuro planejado, casa no frio, tapetes rechonchudos. Os cães, a algazarra do fogo crepitando…

Maldita Flor...Morta!

Uma flor murcha jaz em um copo com água em cima da pia da cozinha. Engulo de uma vez o resto do vinho já quente no copo com gosto de plástico. Meu rosto queima. Um caderno aberto está em cima da mesa e uma caneta sem tampa me olha. Me sento e forço os olhos fechados, tentando te buscar. Tua imagem não vem e somente um borrão apagado e sem vida, aparece. Já não vejo mais o brilho dos teus olhos que tanto me encantaram. Será que um dia eles brilharam tanto quanto eu já não me lembro mais? Será que eu apenas imaginei teus olhos de tristeza sempre me buscando? Já não enxergo mais teus sorriso meio de lado, torto. Já não vejo mais teus dentes brancos, alinhados, sorrindo para mim. Será que um dia eu realmente achei o teu sorriso o mais lindo do mundo? Ou será que apenas sonhei? Não sei responder. Encho mais uma vez o copo de vinho e aquela maldita flor murcha me olha sem pudor. Já, já vou colocá-la no lixo, junto com tantas outras que já estão enterradas no jazigo que a velha sacolinha do supermercado se…

Diz a Ela...

Diz a ela. Diz a ela para cuidar de você. Cuidar do seu sono, da sua falta de sono.  Pede a ela que te puxe as orelhas, que te imponha horários, que fique atenta. Que não se esqueça das suas meias e que sempre terá de juntá-las de manhã, ao pé da cama. Diz a ela que ela dormirá num cantinho somente, afinal você dorme todo torto, esparramado..e que provavelmente, ela ficará sem cobertor a noite toda...mas...seus braços sempre a farão se sentir aquecida.
Diz a ela. Diz a ela para prestar atenção no seu café da manhã. Você sempre sai correndo e nunca se lembra de comer algo. Que ela sempre deixe uma fruta,de preferência, maçã, na sua mochila preta. Que ela deixe também biscoitos de chocolate, com recheio gordinho, você sempre ama muito tudo isso. Que ela se atente ao seu almoço, você sempre arruma uma desculpa esfarrapada.  Não se esqueça de intimá-la a esconder os miojos e refrigerantes. Que sempre deixe saladas, carnes e arroz soltinho pronto. Ah...sucos de frutas também.
Diz a ela. Diz a ela que você…

Sombra...

Por tantas vezes quis curar a tua dor, arrancar tudo que te incomodava e colocar em mim.
Não por me achar forte, mas porque era mais cômodo cuidar de você do que lembrar que eu também tinha dores e feridas abertas. 
Preferi inúmeras vezes afagar teus cabelos a ter que permitir que você visse uma lágrima que descia escavando meu rosto cansado.
Quantas vezes abri mão de mim mesma, para cuidar de você...
Meus segundos contados, meus minutos cronometrados...meu pouco tempo.
De dia, de lazer, de sono...e vida...
Dedicados a você.
E é engraçado fechar os olhos agora e não me arrepender disso.
Se fizesse diferente, talvez não fosse eu. Não seria eu.
Você me teve em suas mãos...
Ganhou meus sorrisos mais sinceros, as gargalhadas mais sonoras.
As músicas mais lindas, as letras mais apaixonadas.
Te dei meus dias, minhas noites, meus pensamentos e sentimentos.
E nunca entendi o porque de eu ter me entregado tanto.
Talvez tenha sido seu jeito de menino sem responsabilidades.
Sem horários, sem jeito, sem teto.
Me…

Quero!

Quero você.
Todo meu.
Teus beijos quentes.
Suas mãos atrevidas.
Seu corpo de desejo.
                                                 Quero você.
                                                 Seus abraços que me aconchegam.
                                                 Seu sorriso que me perco.
                                                 Seus medos que me encanto.
                                                 Todo meu.
Quero você.
Seu desejo latente.
Seu tremer no meu corpo.
Seu precisar de mim.
Do meu corpo.
No seu corpo.
                                                 Quero você.
                                                 Seu jeito de menino.
                                                 Sua pegada de homem.
                                                 Seu se perder desajeitado.
                                                 Por mim.
Quero você.
Romântico incurável.
Pervertido nato.
Inocente atrevido.
Meu.
Só meu.
                                                Quero você!





Meu Desejo...Você!

Vontade do teu hálito. Do teu cheiro de desejo tomando meu corpo. Vontade do teu cheiro. Do suor do teu corpo caindo sobre o meu. Da minha língua provando teu doce sabor. Vontade do encaixe imperfeito. Do meu corpo moldado ao teu. Vontade da tua voz do coração. Gemendo alto sobre mim. Vontade das tuas mãos acariciando cada pedaço meu. Vontade dos teus dedos. Do morder dolorido quando os coloca nos meus lábios. Vontade do teu invadir. Do sussurro inquieto que meu corpo grita. Vontade do arrepiar do teu corpo no meu. Do entrar sem avisar. Do deslize gostoso que tua carne tem. Vontade da tua respiração na minha nuca. Dos teus dentes nos meus ombros. Das marcas que você sempre deixa. Em mim. Vontade dos gritos sonoros. Das noites frias queimando no meu corpo. No teu corpo. Nós. Vontade dos teus tapas, puxões. Ahh...te chamo baixinho.


Vontade de você inteiro dentro de mim!
Vontade das repetições...dentro de mim!!!

Vontade...

Essa noite sonhei com você.
Chegou sem hora marcada, sem aviso algum.
Nas mãos, o desejo de me possuir.
Na alma, a vontade de me amar.
Abriu a porta devagar, foi até a sala onde eu dormia no sofá.
Se ajoelhou lentamente, cheirou meus cabelos e afagou meu rosto.
Sussurrou baixinho no meu ouvido "meu amor".
Nem deu tempo de abrir os olhos, tua boca já me devorava inteira.
Trazia consigo a saudade e a vontade.
Suas mãos corriam meu corpo, venciam as barreiras de todas as roupas.
Meus seios em tuas mãos, minhas mãos em teu corpo nu.
Abri meus olhos e vi o fogo nos teus olhos, senti teu corpo se incendiar e me levar contigo.
Me deu as mãos, me tirou do chão.
Me colocou em pé no sofá,mordeu minha nuca e sorriu dos meus gemidos.
Me invadiu inteira e calou meu grito com tua boca.
Segurou meus cabelos, marcou minha pele com tuas mãos.
Disse o quanto me queria e viajou no meu corpo com força e vontade.
Eu sem ação, eu com tesão.
Você com força, você com fome.
Deixou tuas marcas em mim, o mel que escorri…

Nada é Meu...

Olhos tristes que me fitam. Negros olhos cor da noite que entorpecem as almas cansadas. Qual tristeza faz deles, os olhos mais brilhantes do mundo? Quem me dera ser vaga-lume perdido...e adentrar no labirinto que teus olhos escondem. Perder-me em cada canto obscuro, escuro...teu! Óculos...lindos óculos que adornam teu rosto de anjo. Olhos...que não me olham.
Lábios sedentos que me encaram. Doces lábios adornados pela barba que não te esconde. Em qual saliva já se perdestes?  Qual sortuda menina pôde sentir o mel da sua boca? Teus dentes brancos, teu sorriso largo... Quem me dera ter a sorte de sentir teu gosto nos meus lábios... Beijar-te, serenamente. Lábios...que não me pertencem.
Teu cabelo enrolado,cheio...seu. Bagunça imperfeita que enfeita teu rosto redondo. Em que colo já perdestes um fio desse céu? Quem me dera ser teu colo, tua cura, teu encosto. Ser teu porto-seguro, inseguro. Meu.
Teus braços fortes e seguros,que não me prendem. Músculos desenhados na carne pálida...pelos...anseios. Proteção. Quem…

Falta...O Fim...

E eu sinto saudade. Hoje sinto uma saudade dolorida, apertada, chorada. Saudade. Do começo gostoso. Dos risos bobos, piadas sem sentido. Das músicas que não conhecia. Da brincadeira de seduzir. Do gostar ingênuo, simples, infantil.
E eu sinto falta. Dos dias esperados, das noites de ciúmes. Das perguntas de onde estava. Do conhecer, do olhar, do aguardar. Do teu nome, do teu cheiro. Dos teus erros. Do jeito bobo, do cantar errado, da alegria. Da incerteza, da despedida. Do sofrer. Do amor que sabia existir.
E eu sinto saudade. Do primeiro beijo, do primeiro abraço. Da primeira noite de amor. Do desespero, das lágrimas. Do calor do teu corpo no meu. Do aninhar no frio da madrugada. Do esperar que não terminasse. Do fim. Da fuga...de mim.
E eu sinto falta. Da pureza do sentimento. Dos carinhos, da presença. Das mensagens longas, verdadeiras. Do amor que eu sentia. Do amor, que era amada. Do esquecer do mundo lá fora. Do querer estar com você... O tempo todo, todo o tempo.
E eu não sinto saudade. Das brigas, das mentiras de…

Sem Explicação...

Não consigo explicar como você pode me causar tantas coisas.
Como posso pensar em você a cada segundo.
Ou como me pego sorrindo, só de sussurrar teu nome baixinho.

Não consigo explicar como você pode me fazer tão feliz.
Se eu mesma havia me esquecido o que era felicidade.
Você me devolveu o sorriso que eu já havia perdido.

Não consigo explicar para onde teus olhos me levam.
E porque só de me estender as mãos..eu me sinto protegida.
Você me mostrou o caminho.
E eu me perdi...em você.

Não consigo explicar os motivos de você ter me devolvido meus sonhos.
Ou o porque de eu querer fazer planos.
Tantos planos...
Pra nós.

Não consigo explicar o gosto do teu beijo.
Ou como você me faz perder o prumo...quando chega mansinho
E só diz: Amor, eu estou aqui.
Ah...o teu beijo.

Não consigo explicar as batidas descompassadas do meu coração.
Só de ver você ali...parado me olhando.
O tremer das pernas...ou o acelerar da respiração...
Quando me toca.

Não consigo explicar o que sinto...
Nem como me sinto.
Não consigo entender o…

Prece...

Eu te amo!
Calada, solitária.
Apenas te amo.
O doce encontrar da tua boca na minha.
O gosto de desejo, de amor...
Ainda fervilha em minha saliva.
O toque sereno da ponta dos teus dedos na minha pele.
O caminho traçado, desenhado por tuas unhas.
Arrepios.
Que sente.
Que sinto.
Eu te amo!
Sozinha, inteira.
Tua.
Perdida no opaco dos teus olhos tristes.
Embalada nos teus braços protetores.
Vadia no teu corpo safado.
Eu te amo!
Na estrada incerta que vi em teus olhos.
Nos teus pés que mapearam meu futuro.
Que não veio.
Que não virá.
No suor que cavou sulcos profundos na pele ardente.
Nas lágrimas amargas que formaram lagos de dor.
Eu te amo!
Pelo jeito menino que faz da vida um baile constante.
Pelo modo como vê beleza em tudo.
Pelo que era para mim.
Pelo que me fez acreditar que eu era pra você.
Eu te amo!
Por teu desespero, por tua negativa.
Por tua fuga aos meus braços.
Por tua demora em entender.
Por minha aceitação sempre reclamando.

Eu te amo!!!!
E só te espero...
 Não demora...

Você Me Salva....De Mim!!!

Vem e traga-me teu sorriso. Vista-me nas manhãs de sol morno. Acalenta-me nas tardes de brisa suave. Dispa-me nas noites de inverno rigoroso.
Vem e traga-me teus olhos. Me deixe enxergar o mundo por eles. Cega a minha insensatez. Permita-me ver o que ainda não sei.
Vem e traga-me teus braços. Envolva-me no mundo que há neles. Aconchega-me em teus pesadelos. Faça-me esquecer as dores.
Vem e traga-me sua presença. Diga-me que a solidão não me pertence. Navega nos teus, meus sonhos. Ausência de mim, solidão de nós.
Vem e traga-me teus passos incertos. Conduza-me por caminhos desertos. Tira-me todas as dúvidas. Perdoa o meu cansaço.
Vem e diga-me que tudo ficará bem. Que nosso amor vencerá tudo e todos.
Que seremos nossos Janeiros, Fevereiro...
Ano todo.


Vem e deixa nosso amor prevalecer.
Permita que nosso amor cale a boca de todos que desacreditaram.
Vem...
E diga que me ama, com teus erros, acertos.
Teu amor.


Vem...
E me mostra a verdade do nosso amor.
O que há entre nós, que ninguém mais possui.
Somos além da vida, a…