Pular para o conteúdo principal

Poeminha bobo de amor...e fim!

É garoto dos olhos de tristeza
Chegou a hora de te dizer adeus
Te amo com total certeza
Mas fui vencida pelos vácuos teus!

Te amei desde o princípio
Sem nunca duvidar deste amor
Mas aprendi só a ser o início
Da minha história de dor!

Teu jeito garoto de ser
Meu modo maduro de viver
Só consegui entender
Que sozinha eu hei de ser!

Já não conseguimos mais conversar
Tudo se perdeu nas mentiras em vão
Desaprendemos a amar
Não há mais futuro, então!

Vá embora com seus sonhos
Me deixe em paz com meus devaneios
Já não mais haverá seus abandonos
Estou em guerra com meus pesadelos!

Você chegou no momento incerto
Fez morada no meu peito cansado
Me ensinou o amor mais terno
Me deixou a tristeza do abandono!

Não carrego nenhum arrependimento
Te amei sem nem pensar
A duras penas aprendi a não ter sentimento
Já não posso mais te amar!


Te amo como nunca amei
Mas de tanto ser solidão
Meu amor por ti guardei
No vazio da ilusão!


Meu amou feito menino...

Mas infelizmente...

Te amei como mulher!!!

E você não conseguiu dar conta...(Fraco)

 Adeus!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Já é hora de descansar...

Não havia música de fundo. Só o silêncio imperava nela, por ela. A dor havia ido embora. Sem medos, sem esperança. Sem futuro. No alto da vida, via o mundo. Mundo que só ela via. Cruel, cru, mentira. Absurdamente, solitária. Vazia. Não havia mais dor. Já não era mais indesejada. Mal amada. Já não seria mais preciso desejar seu fim. Havia nascido. Haveria de morrer. Solitária alma no alto do prédio. Prédio sem vida, dentro do peito. Renegada alma. Sem existir. Olhos fechados que já não mais viam. Pedidos nunca atendidos. Socorro! Socorro!
Não peço mais! Ninguém a ouvia. Já não pulsava mais a vida nas veias. Não havia mais sangue na morte que a rondava. Sozinha. Vazia. Não sentia. Não esperava. Não chamava. Não sonhava. Não havia mais música de fundo. Nenhum pássaro cantava lá longe. Nenhuma criança brincava no parque. Ninguém mais se abraçava. Nenhum toque mais...
Aconteceria!

Na vida que se esvaia. No grito que não saía. Na dança que não mais... Aconteceria.
Ela havia vencido. Doce, saborosa, tenra. Adocicado sentir na ponta da l…

Vazios...

Adeus. Te procurei pela casa inteira. Em cada móvel empoeirado. Em cada canto esquecido. Em cada quina descascada. Te procurei. Pedaço a pedaço. Passo a passo. Teu cheiro espalhado. Guarda-roupas vazio. Gavetas bagunçadas. Na peça de roupa esquecida no fundo do armário. Fragmento do teu existir. Absorvi. Inebriei. Desabei. Meus dedos gelados tateando a imensidão do vazio que restou. O eco da tua voz. O som da tua gargalhada muda se espalhando pelo ar. O silêncio gritando em cada cômodo. O som dos teus passos. Teus tênis sujos. Teu chinelo esquecido debaixo da cama. Olhos vagos te procurando. Certeza dolorida. Vazio. A música tocando sem acorde nenhum. Tua escova de dentes jogada no chão do banheiro. Pedacinhos de nós espalhados na imensidão do passado. Teus óculos jogados na estante repleta de porta-retratos. Nossa vida dispersa no vento. Tempo... Nossa história de final marcado. O fim na taça de vinho quebrada em cima da mesa. Resquícios de mais uma tentativa em vão. Meus joelhos dobrados. Meus pedidos. Minha súplica. Ol…

Só Em Você...

Encontrei em você o amor que nunca procurei. O amor de um segundo só, de um minuto apenas, de horas não contadas, de dias vividos, de anos...apaixonados. Um amor atemporal, incondicional. Encontrei em você o maior amor que não imaginei sentir. Um amor pra vida toda, além dessa vida que nos encontramos. Destinos já traçados, vidas enlaçadas. Almas divididas. Um amor! Encontrei nos teus olhos a esperança de um mundo melhor. Na tua tristeza, o cuidado que sempre vou lhe ter. Encontrei nos teus medos, todos os meus sonhos não vividos... Ainda! Encontrei nos teus braços, refúgio para minha ex solidão. Encontrei no teu abraço, remédio para minha sensatez. Encontrei em você, o amor. Sem definição, sem explicação. Sem dor. Encontrei nos seus lábios, um mundo inteiro de felicidade. De borboletas em festa no meu estômago. Sentimentos desconhecidos. Suspiros nunca dados.
Necessidade, desejo... Encontrei na tua inocência a minha busca por maturidade. No teu rosto de garoto, cura para minhas rugas.
Cansaço. Encontrei no t…